A Escola de Saúde Pública

A Escola de Saúde Pública do Ceará Paulo Marcelo Martins (ESP/CE) foi criada pela Lei nº 12.140 em 22 de julho de 1993, é uma entidade da Administração Indireta Estadual, de natureza autárquica, vinculada à Secretaria da Saúde do Ceará (SESA).

É considerada uma Instituição de ensino superior reconhecida pelo Conselho de Educação do Ceará, através do Decreto nº 9.235 de 15 de dezembro de 2017 e pela Lei n° 17.476, de 10 de maio de 2021, a ESP/CE passa a instituir como Instituição Científica, Tecnológica e de Inovação (ICT).

A ESP/CE tem como missão qualificar a força de trabalho e fortalecer o sistema de saúde por meio da educação, inteligência, ciência, pesquisa e inovação para o bem-estar e felicidade das pessoas, a partir das necessidades sociais e do Sistema Único de Saúde (SUS), como também propiciar a integração do ensino-serviço-comunidade, formando redes colaborativas e fortalecendo o sistema saúde-escola.
Sua oferta de cursos, de nível técnico e especialização, capacita profissionais e trabalhadores de saúde do Ceará, descentralizando a formação para diversos contextos e municípios do Estado, contribuindo para melhoria contínua da qualidade dos serviços e o atendimento das necessidades de saúde da população.

A instituição renovou sua estrutura e o seu modelo de negócio, organizando-se a partir de Eixos Estratégicos para as suas novas ações: Educação e Extensão; Desenvolvimento Educacional; Pesquisa em Saúde; Inovação e Tecnologia; Inteligência em Saúde; e Gestão e Governança.

Saiba mais

A RESIDÊNCIA NA ESP

Com a missão de qualificar a força de trabalho e fortalecer o sistema de saúde através da educação, inteligência, ciência, pesquisa e inovação, a Escola de Saúde Pública do Ceará Paulo Marcelo Martins (ESP/CE) destaca-se pela integração das ações de educação em saúde a partir de uma dinâmica que envolve o trabalho colaborativo, processos intra e interinstitucionais e a ampliação e regionalização da oferta dos cursos.

As Residências Médicas, as Residências Multiprofissionais e a Residência em Área Profissional têm o objetivo de complementar a formação acadêmica e incorporar competências técnicas e humanísticas por meio do desenvolvimento de pessoas.

Fazem parte do corpo docente da residência, a coordenação geral, coordenação das ênfases, tutores, supervisores de campo, preceptores de núcleo profissional e orientadores de serviço (articuladores). O regime didático da residência visa ao desenvolvimento do conhecimento, de habilidades e atitudes dos profissionais residentes. Para tanto, o currículo compreende as seguintes vivências de aprendizagem: prática pelo trabalho, teórico-prática e teórico-conceitual.

O processo formativo ocorre em um currículo integrado e de formação conjunta com variados cenários de atuação, de práticas e serviço de qualidade, contribuindo para a valorização da qualificação e habilitação dos trabalhadores do Sistema Único de Saúde e da comunidade em geral.